Dicas Notícias

Melhores Dicas Saudáveis de Atletas Olímpicos Para te inspirar

A conquista de uma medalha olímpica é um momento de glória na vida de um atleta, mas para alcançar este feito, é necessário dedicação treinos intensos e cuidado extremo com a saúde. O dia a dia de um atleta olímpico pode parecer distante da realidade de um “esportista comum”, mas ainda sim podemos inspirar-nos neles e aprender algumas boas lições.
1. Respire corretamente

Para a psicóloga do esporte, que atende atletas de elite, Dra. Leah Lagos, algo que impede a boa performance é o estresse. E a chave para controlar o estresse é manter uma boa respiração. A médica ensina seus clientes a encontrarem uma técnica de respiração que permita regular e se livrar do estresse. É a chamada frequência de ressonância, que varia de pessoa para pessoa.

 

Photo by Oleksandr Pidvalnyi from Pexels

Uma vez encontrado e aprendido, esse jeito específico de respirar causa desaceleração no batimento cardíaco, redução da ansiedade, da descrença em si mesmo e da tensão muscular. Alguns esportistas até registram uma melhoria na resistência cardiovascular e menor fadiga.

2. Livre-se de pensamentos que tiram o foco

Foco é algo primordial na vida de um atleta olímpico, afinal ele tem pouco tempo para demonstrar as suas habilidades na competição e conseguir uma medalha. Por isso, um outro método ensinado pela Dra. Leah é perceber quando algum pensamento que distrai surge na mente e tratar de se livrar dele o quanto antes.

bestwallpaper

Para isso, ela explica que é preciso inalar através do nariz durante quatro segundos e exalar pela boca por seis. Outra técnica que ajuda a esvaziar uma mente agitada é contar de 100 até zero, de trás para frente.

Para as pessoas comuns, esses métodos podem ajudar não somente na hora de praticar um exercício físico, mas a se concentrar em atividades importantes da vida como uma prova de faculdade ou concurso público ou em uma entrevista de emprego.

A nutricionista do esporte Dra. Jamie Schehr dá três dicas básicas de alimentação. A primeira é certificar-se de comer a quantidade necessária de proteínas. “A proteína é essencial para o corpo nas performances de longa duração, assim como para que ele se recupere de qualquer dano que ocorra ao músculo durante o exercício”, explicou a médica ao Take Part.

O último conselho, porém não menos importante, é planejar a alimentação. “A melhor maneira de manter a alimentação saudável é estar preparado”, alertou a médica. Sendo assim, pense no cardápio da semana logo na segunda-feira e escolha restaurantes e supermercados que disponibilizem as comidas saudáveis previstas no seu planejamento.

 

3. De olho na dieta

A ex-nadadora olímpica e professora de psicologia do esporte Katrina Radke também deixa alguns conselhos em relação à dieta. Para ela, quem deseja se alimentar como um atleta de elite não pode passar fome e nem comer além da conta.

bem estar

“Permita que o seu metabolismo trabalhe por você e não contra você. Você perderá peso mais rápido se comer com maior frequência e nunca comer demais, do que se ficar com fome durante horas e depois comer mais do que deve”, afirmou ela ao Take Part.

Outra recomendação da ex-atleta olímpica é seguir a regra do 80/20. Funciona da seguinte maneira: 80% da alimentação deve ser destinada aos nutrientes que o corpo necessita para funcionar direito. Os 20% que sobrarem podem ficar para os docinhos, guloseimas ou lanchinhos mais saborosos.

Uma vez que conseguir seguir certinho essa regra, seja um pouco mais radical e tente aderir à proporção de 95/5.

Courtesy of CBS Katrina Radke

A última dica de Katrina é comer alguma coisa 30 minutos depois de ter terminado de se exercitar. Segundo ela, isso contribuirá com a reparação muscular e deixará os efeitos do treinamento ainda mais positivos.

 

4. Alongue-se

O alongamento é realmente importante para quem pratica atividade física, já que ajuda a evitar lesões, além de manter ou aumentar a flexibilidade dos músculos.

rumo certo

No caso dos atletas profissionais, um problema enfrentado são as lesões pelo excesso de uso de determinada região muscular. Daí a importância de alongar outras partes do corpo.

“Uma maneira simples de fazer isso (manter o equilíbrio) é tirar um tempo para alongar os músculos opostos, de modo que o corpo esteja bem equilibrado, em relação ao seu uso”, afirmou Katrina Radke.

Bem, se até os esportistas de elite fazem isso, quem somos nós para deixar o alongamento de lado, não é mesmo? Por isso, nada de preguiça ou pressa. Reserve uns minutos do treinamento para se alongar e deixe os seus exercícios mais seguros.

 

5. Não coma correndo

Outro exemplo importante que podemos tirar dos atletas olímpicos é em relação à alimentação. Como relata a Dra. Jamie Schehr, que já trabalhou com profissionais do vôlei, crossfit e nadadores, eles não comem com pressa e dedicam o tempo necessário às refeições.

“Deixar um tempo adequado para comer e não se alimentar na correria melhora a digestão e dá ao corpo uma maior sensação de saciedade”, ressaltou a médica ao Take Part.

 

6. Corte os refrigerantes diet
Photo by rawpixel.com from Pexels

 

Se você toma refrigerante diet com a justificativa de repor as energias, leia o relato da Dra. Jamie e veja que nem sempre ele é necessário: “Uma atleta com quem eu estava trabalhando tinha um calendário de competições muito exaustivo pela frente e tomava refrigerantes diet antes e depois dos eventos para obter cafeína. Quando nós tiramos o refrigerante diet dela, não somente a sua energia e seu desempenho melhoraram como seu físico mudou drasticamente para melhor.”

Já que eles não têm utilidade da dieta, o jeito mesmo é cortar. E se não der para ficar sem logo de uma vez, experimente ir tirando a bebida do cardápio aos poucos.

 

7. Relacione-se com outras pessoas

“Esporte individual não existe. O seu relacionamento com os técnicos e os colegas de equipe estão relacionados ao seu desempenho, ao modo como você se sente sobre si mesmo, seu compromisso, bom espírito esportivo, falhas, sucesso, paixão e superação de obstáculos”, revelou a ex-jogadora da equipe de bobsled dos Estados Unidos e escritora, Alexandra Allred.

Photo by Min An from Pexels

 

A Dra. Leah enfatiza o comentário de Alexandra ao explicar que, nos dias de hoje, nós precisamos nos sentir conectados a outras pessoas. Por isso, ela recomenda que seus atletas mantenham contato com no mínimo três conhecidos durante os períodos de competição.

Para nós, a lição que fica é que é muito melhor ter um parceiro de malhação do que treinar sozinho. Assim, além de uma companhia, temos também alguém para nos incentivar e com quem contar quando o desânimo bater.

8. Não caia em tentações

Não somos apenas nós, meros mortais, que sofremos com as tentações culinárias e passamos por momentos de tensão na hora de manter a dieta. Os atletas de elite também passam por isso. Katrina Radke conta que nas vilas olímpicas, as marcas que patrocinam os jogos deixam os seus produtos em exposição – o que inclui as comidas, nem sempre tão saudáveis – e há uma diversidade culinária no local, já que existem competidores dos diversos lugares do mundo.

Photo by Robin Stickel from Pexels

E o conselho que ela dá aos esportistas com quem trabalha é manter-se firme na sua rotina alimentar. “Essa não é a hora de experimentar algo novo, poucos dias antes da sua grande performance”, falou Katrina ao Take Part.

A dica que fica para a gente é manter a mesma dedicação quando formos fazer compra no supermercado ou formos convidados para jantar na casa de um amigo que não prepara cardápios muito saudáveis. O desejo pode ser grande, mas se entregar à tentação e comer o que não deve certamente prejudicará a dieta e atrapalhará o progresso que já tenha sido feito.

 

9. Conquiste a sua própria medalha de ouro

Você não precisa disputar um campeonato como uma Olímpiada para conquistar a sua medalha de ouro. Superar as suas próprias barreiras e conseguir praticar um exercício ou esporte que achou que nunca seria capaz pode te dar uma sensação de vitória parecida com a que os atletas profissionais experimentam.

Photo by Charles Deluvio on Unsplash

“Todo mundo tem os seus próprios Jogos Olímpicos. Todo mundo tem aquela performance de medalha de ouro que se esforça para alcançar. Eu sempre encorajo as pessoas a encontrarem o seu próprio pequeno momento olímpico”, incentivou Alexandra Allred.

 

11. Dê a volta por cima

Quando ainda era nadadora, aos 22 anos de idade, Katrina Radke desenvolveu a síndrome da fadiga crônica, uma doença que a deixou de cama e dependente de outras pessoas.

No entanto, a ex-atleta não permitiu que a enfermidade a abalasse e lutou para superá-la. Enquanto não podia se movimentar, ela começou a fazer exercícios de respiração, até que pudesse se mexer outra vez.

Com o tempo, Katrina conseguiu superar a doença e voltou a competir como uma nadadora de nível internacional.

Veja bem, se ela pode superar um incidente que a deixou de cama, por que não se inspirar e lutar quando algum problema físico aparecer? Se a perna está machucada ou o corpo doi com determinada modalidade, por que não procurar outra mais leve que não exija tanto esforço? Caso não seja difícil, insista na recuperação e siga as recomendações dos médicos, para ficar bem e poder voltar à ativa. O importante é não desistir.

 

12. Não use o dinheiro como desculpa

Outro problema que não atinge apenas a gente mas também ocorre com os atletas olímpicos é a questão do dinheiro. Se nós podemos esbarrar na falta de grana para comprar determinado equipamento, contratar um personal trainer ou pagar a mensalidade de uma academia, para eles as coisas são um pouco piores.

É que além de tudo isso, eles gastam com viagens e precisam de patrocínio. E quando a ajuda não aparece, acabam tendo que usar a criatividade e dar um jeito no orçamento para continuar praticando e competindo na sua modalidade. Bem, se com eles que os custos são mais altos algum jeito pode ser dado, por que conosco precisa ser diferente? Se não dá para ir a uma academia, pode-se começar fazendo caminhadas e corridas em um parque próximo de casa.

Fonte: Mundo boa forma