BIKE ESTRADA Notícias

Testemunhas depõem em 1º audiência do atropelamento que matou Claudio Clarindo

Audiência aconteceu na tarde desta quarta-feira (2) em Santos. Uma testemunha não compareceu e outra audiência foi marcada

Audiência aconteceu no fórum de Santos (Foto: Divulgação)

Após mais de um ano da morte de Claudio Clarindo, o motorista Gabriel Bensdorf Aguiar de Oliveira que atropelou e matou o atleta passou pela primeira audiência na tarde desta quarta-feira (2) no Fórum de Santos. O réu foi indiciado pelo crime de homicídio culposo, quando não há intenção de matar e por lesão corporal contra o ciclista Jacó Amorim, 32 anos, que também foi atropelado. Segundo o advogado de Gabriel, Felipe Pires de Campos, quatro testemunhas foram ouvidas e o réu acompanhou a audiência.

O advogado explicou que esta é a primeira audiência e que devem haver outras duas. “Foram ouvidas testemunhas de acusação, o Jacó, dois ciclistas que também estavam no acidente e um Guarda Rodoviário. Uma testemunha não compareceu, que era um motorista que estava na via. Outra audiência foi marcada para o dia 17 de agosto e depois será marcada uma terceira. Apenas nesta última é que Gabriel é interrogado e não há previsão de agendamento por enquanto”, explicou.

Segundo Felipe Pires, Gabriel afirma que não lembra o que aconteceu no momento do acidente. “Apesar de haver a suspeita que ele dormiu no volante, ele diz que não se recorda, ou seja, ele não sabe se dormiu ou se teve um mal súbito. Ele diz que lembra apenas de estar na estrada e acordou no mato”, disse.

A reportagem tentou falar com o ciclista Jacó Amorim, porém até o fechamento desta matéria ele não havia atendido as ligações.

Quem também esteve na audiência foi a esposa de Claudio, Betinha Pereira. “A rodovia era o quintal do Claudio, ele treinava e passava por lá todos os dias e conhecia o local como ninguém e sempre estava com todos os equipamentos de segurança”, lembrou Betinha.

A companheira do ultraciclista também contou como Claudio chegou no ciclismo de estrada. “Tudo começou com uma viagem para visitar o avô que morava em MG, ele pensou que ir pedalando seria um ótimo jeito. Desde então o amor pela bike tomou conta”, relembrou.

Quem passou muito tempo ao lado de Clarindo, foi Claudio Diegues. Ele foi treinador do ultraciclista. “No começo fui treinador do Claudio, mas depois passei a ser mais um orientador. Ele estava cheio de planos no ciclismo. Faltava duas semanas para o início do circuito mundial de Long Distance. Seriam quatro etapas naquele ano e ele estava muito bem preparado e com potencial para ser o melhor”, recordou.

Jacó fazia provas e treinos ao lado de Clarindo (Foto: Jacó Amorim/Arquivo Pessoal)

Atropelamento
O ciclismo ainda está em luto. No dia 25 de janeiro de 2016, por volta de 8h, durante um treino de rotina, um acidente tirou a vida de um dos dez melhores atletas mundiais, Claudio Clarindo, de 38 anos. O atleta treinava com outros quatro ciclistas na Rodovia-Rio Santos quando foram atingidos frontalmente pelo veículo conduzido por Gabriel Bensdorf, na época com 24 anos. Os dois atletas atingidos foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros e encaminhados para o Hospital Santo Amaro, em Guarujá, porém Claudio chegou sem vida ao local. Amorim sofreu fraturas pelo corpo, e passou por cirurgia no fêmur.

De acordo com a Polícia, após o acidente o motorista passou pelo teste do bafômetro e o resultado foi negativo para ingestão de bebida alcoólica. A suspeita é que ele tenha dormido no volante.

Porém, testemunhas disseram que viram Gabriel Bensdorf dirigir de forma perigosa naquele dia. Uma delas chegou a dar entrevista para o Bom Dia SP. De acordo com a testemunha que não quis se identificar, ela viu imprudências por parte do motorista. “Durante quase 20 km a gente viu que ele estava dirigindo de forma perigosa. Ele guiava, brecava, acelerava um pouco, brecava e a gente resolveu manter uma distância por segurança. Foi quando a gente viu ele tentar ultrapassar cinco carros que estavam indo sentido São Paulo sendo que estavam vindo três carros sentido Bertioga. Foi nesse momento que ele foi para o acostamento do outro sentido, pegando os ciclistas”, contou.

Recordista e Top 10 mundial
Claudio começou a paixão pelo esporte com a natação. Por conta das braçadas, em 1992 iniciou sua carreira no Triathlon, onde conquistou títulos na categoria juniores, concluindo as provas do Ironman Brasil. A transição de uma modalidade para outra aconteceu de forma natural e gradativa para o atleta que já tinha a paixão pelo esporte enraizada. Foi quando ele decidiu visitar o avô que nunca tinha tido a oportunidade de ver o neto competir. E assim ele ingressou com o pé direito no ciclismo Long Distance em 2002, já com o desafio de cortar os estados de São Paulo e Minas Gerias, em um percurso de mais de 400 km. Claudio saiu de Santos e chegou a Guaranésia, cidade natal de seus pais.

Claudio Clarindo começou carreira esportiva em 1992 (Foto: Betinha Pereira/Arquivo Pessoal)

A partir de então foram só conquistas. Antes do trágico acidente, Claudio se preparava para o início do circuito mundial de Long Distance, seriam quatro etapas naquele ano. Em seus últimos anos de vida, Cláudio trabalhava também como Coordenador de Esportes de Praia da Secretaria Municipal de Esportes de Santos. Por conta de seus feitos, ele foi um dos atletas escolhidos para levar a Tocha Olímpica Rio-2016 durante a passagem pela cidade de Santos.

Além de se tornar o primeiro recordista brasileiro de longa distância, foi também vice-campeão do Extra Distance, conquistou recorde sul-americano de 24 horas em velódromo, com 700 km completados e foi vice-campeão das 24h de Sebring, competição realizada na Flórida (EUA), além de consagrar-se bicampeão das 24h de Fortaleza.

Completou por sete vezes o Ironman Brasil, e uma vez o Ironman Hawaii. Em dezembro de 2011, foi lançado o documentário “Sem Limites dia e noite”, que traz um relato da participação do Claudio na Race Across America (RAAM) daquele ano, onde percorreu cerca de 5 mil quilômetros, entre costas oeste e leste dos Estados Unidos, em aproximadamente 12 dias sem parar.

Assista Clarindo “Sem Limites Dia e Noite” filme RAAM 2011

Confira fotos de Claudio Clarindo: 

Claudio treinava para completar circuito mundial de longa distância em 2016 (Foto: Betinha Pereira/Arquivo Pessoal)

 

Clarindo conquistou recorde sul-americano de 24 horas em velódromo, com 700 km completados (Foto: Betinha Pereira/Arquivo Pessoal)

 

Claudio completou o Race Across America cinco vezes  (Foto: Betinha Pereira/Arquivo Pessoal)

 

Betinha contou que rodovia era ‘quintal’ de Claudio (Foto: Betinha Pereira/Arquivo Pessoal)

 

Betinha sempre acompanhou marido nas competições (Foto: Betinha Pereira/Arquivo Pessoal)

 

Atleta morreu aos 38 anos (Foto: Betinha Pereira/Arquivo Pessoal)

 

Filho de Claudio na chegada do pai no Race Across America (Foto: Betinha Pereira/Arquivo Pessoal)