BIKE ESTRADA

Italiano Vincenzo Nibali afirma que está pronto para La Vuelta a Espanha

Disputa que vai percorrer a Espanha começa no dia 19 de agosto

Após o último Tour of Poland e a disputa do campeonato italiano, obrigatório para todos os pilotos profissionais do país, o ciclista de Vincenzo Nibali marcou seu retorno às competições de ciclismo, desde que terminou em terceiro lugar no Giro d’Italia em maio do ano passado. Em uma entrevista, o Top 10 mundial mostra que está pronto para o início da La Vuelta Espanha em 19 de agosto, saindo de Nimes, França.

Conhecido como “O Tubarão”, o ciclista foi o primeiro piloto a vestir a camisa vermelha, de líder da competição na La Vuelta em 2010. Durante a edição de 2013 usou a camisa vermelha por 13 dias, mas o americano Chris Horner arrebatou o título com três fases para terminar La Vuelta.

Vincenzo Nibali usou a camisa de líder na La Vuelta em 2010 (Foto: Unipublic/Graham Watson)

Que conclusões você tira do Tour da Polônia?
Estou feliz com a minha performance atual. No Tour da Polônia, eu estava voltando de um período de treinamento em altitude, então eu sabia que não seria muito competitivo. Diante disso, eu conquistei a  9ª colocação que foi muito bom e me deixou apto para o retorno.

Quais são seus objetivos para La Vuelta 2017?
Eu sempre gostei da La Vuelta, eu já ganhoi uma vez, e corridas na Espanha me favorecem. Como sempre, quero dar o melhor de mim na largada e em 10 de setembro, quando a corrida terminar, quero estar bem.

O que você sabe sobre a corrida deste ano?
Eu não conheço todos os lugares, mas alguns. Eu conheço muito bem do Alto de l’Angliru em diante. Outros pontos, eu pergunto ao meu amigo Purito (Joaquim Rodríguez, o homem que ele tomou a camisa vermelha no contra-relógio de Penafiel em 2010 e agora é embaixador e assessor de sua equipe Bahrain-Merida). No mapa parece mais fácil, mas como sempre, vai ser duro e exigente.

O que passa pela sua cabeça ao ver a lista de favoritos: Froome, Contador, Aru, Bardet, Chaves, Iates irmãos, Barguil, Majka, Zakarin, etc. ?
Eles são todos grandes ciclistas, e vão garantir um bom show. Alguns vêm do Tour de France e outros fizeram o Giro d’Italia comigo, todos tem chance de pódio ou de vitória final. Eu não acho que há um favorito. Na verdade, acho que a raça pode dar muitas surpresas.

Podemos dizer que a La Vuelta foi a corrida que te consagrou como um piloto de provas de etapas, mas também foi aquela que deixou o gosto mais amargo?
A Vuelta me convenceu de que eu sou um piloto em etapas. A camisa vermelha me traz memórias e emoções, mas também me lembra o segundo lugar, atrás do Horner em 2013. Mas a derrota faz parte do esporte e eu também sempre gosto de olhar para o futuro.

Como você descreveria a atmosfera da La Vuelta Espanã?
Ainda me lembro dos gritos dos fãs, especialmente nas partes mais íngremes dos Portos. O apoio dos fãs espanhóis torna a corrida muito acolhedora, eu gosto do carinho do povo, é um tiro de energia para mim.